Apreciação musicalAulasSem categoria

8 Mulheres do universo da música que você precisa conhecer

8 MULHERES DO MUNDO MUSICAx

O universo da música é muito mais conhecido pelos seus grandes compositores e intérpretes, do que as compositoras e musicistas. Por isso resolvi falar de 8 mulheres do universo da música que você precisa(ria) conhecer.

Vou listar algumas destas mulheres aqui, serão compositoras, intérpretes, professoras, instrumentistas, enfim, as que eu lembrar ou que achar relevante.

Até terça 10/03 vou postando uma mulher do mundo da música que você precisa conhecer por dia, será uma brevíssima biografia e um vídeo, ou dois.

Como sou violonista, vou puxar sardinha para o meu lado.

Assim vamos a primeira mulher desta lista: Barbara Strozzi

Barbara Strozzi – 1619-1677

Cantora (soprano), compositora e gambista veneziana, foi definida pela musicóloga Beth L. Glixon, especialista em ópera veneziana do século XVII, como uma compositora incrivelmente prolífica.

Barbara Strozzi se destacou por ser uma das pouquíssimas mulheres no século 17 a publicar suas próprias músicas.

Pouco se sabe sobre sua vida e se quiser saber mais leia aqui.

Entre as peças de Barbara Strozzi ouça esta versão apenas com violão e a voz.

É belíssimo! Não entendi nada da letra na primeira vez que ouvi, mas a uma possível tradução.

Che si può fare,Che si può fare,
Le stelle rubelle
Non hanno pietà,
Pietà,
Non hanno pietà.Che si può fare,S’el cielo s’el cielo non dà
Un influsso di pace
Un influsso di pace,
Al mio penare.Che si può fare,
Che si può fare,
Che si può fare.Che si può dire,
Che si può dire,D’agl’astri disastri
Mi piovano,
Mi piovano ogn’hor.Che si può dire,
Se perfido amor
Un respiro diniega
Un respiro diniega
Al mio martire,
Al mio martire,
Un respiro di diniega,
Al mio martire,Che si può dire,
Che si può dire

Tentei encontrar uma tradução para esta letra, mas só achei em inglês, que segue abaixo.

What can I do? The stars, intractable, have no pity. Since the gods don’t give a measure of peace in my suffering, What can I do? What can I say? From the heavens disasters keep raining down on me; Since that treacherous Cupid denies respite to my torture, What can I say? That’s how it is with cruel destiny, the powerful tyrant, It condemns the innocent: Thus the purest gold of constancy and faithfulness, alas, is continually refined in the fire of pain  …

Como só uma música é pouco, vai mais uma. Lembro da primeira vez que ouvi esta música num festival de música antiga em BH, na voz da Maria Cristina Kiher.

Dos tempos áureos em que se dava para fazer estas coisas. Fica aí pra você ouvir antes dormir.

Alma Deustcher (2005)

Hoje é dia de conhecer o trabalho da simpatíssima Alma Deustcher que atualmente, em 2021 possui 16 anos de idade.

Deustcher é prodígio, quase uma gênio, se não tivesse visto a sua extensa trajetória até agora.

Alma é capaz de cantar, tocar violino e piano e não bastasse todo o talento é compositora de óperas e concertos.

Começou estudar pianos aos 2 anos de idade, violino aos três e ao 6 já tinha composto sua primeira sonata para piano.

No youtube vemos diversos dos seus vídeos, e é impressionante como a música e ela são uma coisa só.

8 mulheres do universo da música
Alma Deustcher em 12.12.2019 tocando o seu concerto para violino no Carnegie Hall

Ela possui uma incrível maturidade musical e a leveza dos 16 anos. Quando me deparo com seres humanos come ela penso como é incrível a nossa capacidade.

E fica a pergunta: até onde mais podemos chegar?

Já compararam a jovem com Mozart e ela responde lindamente que a comparação não é compatível pois ela é ela, única, uma mulher deste tempo.

Obviamente, todo esta capacidade criativa advém de um ambiente propício e para que ela pudesse florescer.

E aí é dá pra imaginar o trabalho dos pais de Alma Deustcher na educação da jovem.

Se quiserem conhecer mais vejam suas entrevistas e vídeos no youtube e visitam o site da artista.

E vai aqui uma composição de Alma Deustcher

Se quiser conhecer as mulheres do violão aqui no Brasil clica aqui

Maria D’apparecida (1935 – 2017)

Conheci o trabalho da Maria D’aparecida pois estava pesquisando sobre Waldemar Henrique, para minha dissertação de mestrado defendida em 2017.

Quando vi o vídeo dela interpretando Tamba-taja (Lenda Amazônica n°3 do Waldemar) num vídeo que ela fez para uma TV francesa, quase que imediatamente percebemos que não se trata de qualquer artista. 

A postura, os gestos e o modo como ela canta são bem distintos. E quando vemos que se trata de uma cantora negra é que de fato ela era distinta mesmo.

Tente imaginar o quanto de preconceito ela não deve ter sofrido ou quão foi difícil pra ela cantando música erudita, mulher, negra nos anos 40, 50 aqui no Brasil.

Maria D'apparecida -  8 mulheres do mundo da musica que voce precisaria conhecer 8 mulheres do universo da música
Maria D’apparecida

Se até hoje com todas as lutas e conscientizações ainda é difícil, imagina naquela época. Veja e tire suas próprias conclusões. 

Infelizmente a artista não fez sua carreira por aqui no Brasil, quando na década de 40 foi substituir a soprano Maria Callas na ópera Cármem de Bizet na França.

Na época a cantora acabou achando a sua oportunidade de trabalho e talvez de maior valorização, que acabou ficando lá mesmo. 

A cantora foi considera uma das melhores intérpretes para o papel de Cármem de Bizet de sua época.

Ela ainda nos brindou com algumas  gravações sendo acompanhado nada mais nada menos do que Banden Powell, e ainda gravou um disco com Canto e violão acompanhado pelo Turíbio Santos. 

Pra quem quiser mais sobre a artista ouça esta entrevista com uma das escritoras da biografia da cantora. Veja aqui ou veja ainda uma entrevista com a própria Maria D’apparecida aqui.

Ana Maria Bedaque

A violonista de São Paulo é uma das primeiras mulheres violonistas a se formar em música no Brasil, também foi uma das primeiras a cursas pós-graduação em música no exterior, atualmente uma escolha muito comum entre os estudantes de música erudita.

Bedaque estudou violão com Henrique Pinto onde se formou em 1984 com apenas 20 anos, e estudou o mestrado em performance com Carlos Barbosa-lima na Manhattham Music of School e se formou doutora em música (2004) na área de educação pela universidade de Rochester.

A artista também tem especialização em cursos de música a distância.

Infelizmente, com todo o currículo e com a altíssima capacidade musical a musicista não tem nenhum álbum gravado.

Mas felizmente temos alguns dos seus vídeos.

  8 mulheres do mundo da musica que voce precisaria conhecer 8 mulheres do universo da música
Professora Ana Maria Bedaque

Nos vídeos podemos ver a enorme capacidade técnica e musical da violonista.

Alguns destes vídeos só estão disponíveis graças a Raíssa Amaral, uma cantora, violonista que já subiu diversos videos raros para youtube.

Os vídeos que temos da violonista são excelentes, se tomados na perspectiva da idade que ela tinha, a época em que vivia, com menos referencias musicais que temos hoje e como as gravações eram feitas.

Segundo o Gilson Antunes:

A maioria das gravações foi realizada em maio de 1984 quando ela tinha apenas 19 anos de idade. Os vídeos da TV e VHS são de 6 anos depois, 1990. Quem gostar, por favor curta os vídeos e ajude a divulgar, divulgar e divulgar. O violão clássico brasileiro agradece

Gilson Antunes no fórum do violão

Infelizmente não é possível saber mais coisas sobre a artista. Ela parece ser bastante reservada e temos poucas coisas sobre a artista disponível.

Gilson Antunes nos diz algumas coisas aqui neste link, que me fez inferir sobre a artista.

Thereza Martins (1935)

A violonista Thereza Martins atualmente tem 85 anos e esbanja virtuosismo na gravação abaixo. A violonista na década de 1950 formou um conjunto de mulheres guitarristas negras chamado Blue Star.

Na mesma época a violonista se apresentava em programas da Rádio Tupi, programa do Ary Barroso e da Rádio Nacional. Provavelmente conheceu todos os grandes nomes da música de sua época.

Segundo sua filha Tânia, Thereza teria enfrentado diversos por preconceitos, possivelmente por três razões: mulher, negra e violonista.

Em 2015 ao completar 80 anos a violonista gravou um CD com vários arranjos para violão solo. Queira eu chegar nesta idade tocando violão como Thereza!

8 Mulheres do universo da música que você precisa conhecer 1
Thereza Martins

Procurei rapidamente sobre Thereza Martins, mas infelizmente não encontrei mais informações sobre a artista.

No video deste link é possível outras performances informais de Thereza em festas particulares, lá pelo meio do vídeo tem um Ary Barroso que está incrível.

Sister Rosseta Tharpe (1915 – 1973)

Nos anos 30 e 40 vinte anos antes de aparecer Elvis Presley, Chuck Berry e cia, a “irmã” evangélica Rosseta Tharpe já empunhava a sua guitarra e “tocava o fogo” ? nos seus fãs/fiéis. Ela é avó do Rock ?! 

Negra, guitarrista e cantora Rosseta já naquela época tinha a atitude e a transgressão que são a marca do RocknRoll. 

Os grandes B. B King e Bob Dylan eram “devotos” da artista e ela era referência deles.

8 Mulheres do universo da música que você precisa conhecer 2

Sua mãe era pastora e cantora e provavelmente foi quem a guitarrista se inspirou, e ainda aos 4 anos de idade Rosseta fez sua primeira performance na congregação da sua família. 

A irmã fez história no Rock foi a primeira cantora gospel em 1938 a assinar com uma gravadora relevante na sua época e no mesmo ano de lançamento do disco fez bastante sucesso. 

Ouçam a irmã Rosseta, era um mulherão da porra com certeza. Tinja aquela energia contagiante, aquele quê a mais, que não sei definir. 

Que voz e presença que ela tinha!

Se quiser conhecer mais sobre a biografia da cantora/guitarrista assista o documentário The Godmother of Rock’n’Roll – Sister Rosetta Tharpe, dirigido por Mick Csaky,

No YouTube tem alguns vídeos da artista ou passa lá ou veja o vídeo que escolhi e coloquei logo aqui.

O documentário da Sister Rosseta Tharpe

A Violeira Helena Meirelles

A musicista de hoje é Helena Meireles, uma violeira e cantora brasileira.

Nasceu em Campo Grande no Mato Grosso do Sul em 1924.

Desde cedo interessou pela música, mas para a sociedade da época o violão não era coisa de mulher, mas mesmo assim prosseguiu estudando o instrumento escondido.

Por um longo período, 30 anos não se sabe de suas atividades por viver com seu terceiro marido nos pantanais mato-grossenses.

Seu reconhecimento veio tardiamente, aos 67 anos, após ser encontrada por sua irmã doente numa praça em Piquerubi.

Sua irmã a levou para São Paulo, onde um sobrinho torna-se produtor de Helena Meireles e vários artigos são publicados na revista Guitar Player.

A violeira se apresentou em programas como o Viola minha viola e Ensaio da TV Cultura.

recebeu diversas premiações internacionais e nacionais como _
Spotlight Arts (1993) e Cem e uma palhetas do Século (1994) pela GuitarPlayer Magazine_ e Helena foi incluída na lista 30 maiores ícones brasileiros da guitarra e do violão_ (Categoria: Raízes Brasileiras) da revista Rolling Stone Brasil.

Há dois documentários sobre Helena no youtube um de 2001 e outro 2004.

https://youtu.be/LiVG3m4BWz4

Gabriela Di Laccio

A última mulher desta série é uma soprano e pesquisadora brasileira que vai te levar a conhecer não 8 mulheres do universo da músicas, mas centenas delas.

A pesquisadora incomodada com a questão da representatividade na música, sobretudo no universo da música de concerto empreendeu uma pesquisa que foi muito além do trivial.

E ela desenvolveu uma plataforma cheia de referências e pesquisas que vão te levar há um universo musical desconhecido por muitos.

Separei para você ter um breve panorama da profundidade do trabalho da Gabriela dois vídeos.

O primeiro é ela mesma fala do próprio trabalho e o segundo é uma pequena reportagem do “Mulheres Fantásticas” de 2019 do qual tem um pouco da trajetória da artista e pesquisadora.

O vídeo pode ser visto aqui.

Assista no link abaixo a matéria no Fantástico

https://globoplay.globo.com/v/8131503/

Espero que este pequeno texto possa abrir as possiblidades de apreciação do trabalho feminino na música.

São inúmeras as mulheres que merecem ter os seus trabalhos reconhecidos não apenas 8 mulheres do universo da música, sobretudo da música instrumental e da clássica.

Se quiser conferir outros textos que escrevi aqui neste blog um sobre mulheres e o violão leia este artigo aqui.

E se quiser conhecer sobre mulheres que tocam ukulele no Brasil e no mundo leia este texto aqui.

Espero que você tenha gostado desta breve lista. Na minha humilde opinião você deve usar este texto como uma referência e voltar várias vezes para degustar completamente as referências indicadas.

Até mais!

Anderson Reis

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.